sábado, 30 de junho de 2012

RAIVA E DESAMPARO: UMA REORGANIZAÇÃO DIVINA



RAIVA E DESAMPARO: 
UMA REORGANIZAÇÃO DIVINA
Mensagem de Julie Redstone
15 de Junho de 2012.


Amados,

Muitos pensam que a raiva é um instinto fundamental relacionado com o ser humano, e esta percepção é tanto correta, quanto incorreta. A raiva é uma conseqüência da necessidade do ego de criar a auto-proteção, uma vez que a proteção Divina não mais parecia estar disponível ou presente.

O ego, instituído como o agente interno da autoproteção e do autocontrole, quando confrontado com o desamparo, procura recuperar o poder e o controle, através da liberação da poderosa energia da raiva, que mobiliza as defesas próprias contra um inimigo ou ameaça percebida. Neste sentido, a raiva é um agente de mobilização que tenta assegurar que se seja bem defendido e protegido dos danos.

Entretanto, a raiva como uma defesa contra o desamparo, não é a definição do que significa ser humano, exceto no nível em que o ego se presume como a autoridade sobre o que é esta definição.

Enquanto as almas encarnadas evoluem durante o seu tempo na Terra, uma nova definição de “ser humano” entra em jogo, uma definição que tem mais a ver com o relacionamento com o Espírito do que com o ego. De acordo com esta transição, uma nova maneira de lidar com o desamparo precisa ser buscada, de modo que o desamparo não seja trazido ao ego como o árbitro da proteção, mas sim levado à Deus como a Fonte de proteção.

Esta transição em lidar com o desamparo redefine a base sobre a qual se encontra a raiva. Pois se o desamparo pode ser levado à Deus como a Fonte de proteção, então a raiva não tem mais base para existir. Infelizmente, ainda que simples de dizer, isto é muitas vezes difícil de fazer. Pois muitos temem abrir mão da medida de controle e da auto-capacitação que a energia da raiva oferece aparentemente.

Que há um preço a pagar para o uso desta energia nem sempre é percebido, pois só se pode gerar conflito através do uso da raiva como uma defesa, e não se pode gerar a paz. E, além disto, não se pode gerar a verdadeira segurança através da raiva, pois no próximo aparecimento do medo ou do desamparo na vida, a raiva se manifestará novamente.

Por esta razão, aqueles que estão se movendo ao longo de um caminho espiritual, precisam buscar uma nova forma de lidar com o desamparo, uma maneira que permita que o desconforto e até mesmo a dor do desamparo sejam sentidos, mas que sejam sentidos dentro de um contexto sagrado de Amor Divino.

Manter o desamparo em si mesmo, cria frequentemente a ansiedade, a angústia e o medo do futuro, especialmente quando as energias da oposição e da separação ampliam estes sentimentos. Este não é o caso quando se leva o desamparo à Deus, pois então se pode receber o fortalecimento que decorre de manter o desamparo no amor, em troca da dádiva da confiança, da esperança e da entrega.

Muitos, no entanto, não confiam ainda neste acordo. Eles temem o desamparo e se sentem sozinhos com ele. Eles não se lembram de como levar o desamparo à Deus e assim, eles aprovam a única defesa que eles conhecem, o que cria uma maior sensação de capacitação, ou seja, tornam-se irritados.

Amados, esta defesa não é uma defesa real. É um disfarce sobre o medo, do tipo mais frágil. Pois mesmo que se esteja com raiva e em um momento seja reduzida a sensação do medo e do desamparo, no momento seguinte estes sentimentos irão retornar quando a vida se apresentar com condições semelhantes, levando a se sentir impotente novamente.

A maneira de levar o desamparo à Deus é a maneira de levar a própria dor a este Coração Divino que pode mantê-la junto ao coração humano. Ao mesmo tempo, pode-se pedir para se sentir sustentado e apoiado através da experiência, sabendo que nenhuma experiência chega ao ser que não tenha uma dádiva maior de aprendizado nela.

Deve-se experienciar isto para saber a verdade disto. Muitas vezes acontece, no entanto, por causa dos anos e existências de separação percebida, que durante muito tempo não há suficiente confiança ou disposição para lidar com o desamparo de outra forma que não seja a de assumir o controle de si mesmo.

Nisto reside a escolha em relação à raiva e ao desamparo hoje, ou seja, se alguém tomará uma decisão sobre como “estar” com estes sentimentos a partir da perspectiva da alma, ou se irá escolher perspectiva do ego. A escolha do caminho da alma não é através do controle, mas através da entrega, e isto é uma escolha que cada indivíduo deve fazer, de acordo com a sua disponibilidade de liberar o controle em favor de algo muito mais vasto e seguro.

Neste momento, muitos estão enfrentando esta escolha entre o alinhamento com a alma ou com o ego humano. Quando a alma for escolhida, a raiva irá desempenhar menos e menos participação na experiência humana, enquanto o amor e o desejo da real unidade com Deus e com os outros, desempenharão um papel cada vez maior, chegando a ser o motivo dominante que reorganizará para sempre o cenário emocional interior.


Fonte: http://lightomega.org/Ind/Pure/Anger-and-Helplessness.html
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br 
Enviada por Fada San